Comunicação não violenta X agressividade na vida profissional

Comunicação não violenta

Este post é para você ler quando não souber como lidar com uma grosseria na vida profissional. Sem qualquer medo de exagerar, eu digo: a não violência pode salvar QUALQUER relação. Parece mais fácil controlar nossos impulsos do que lidar com a violência do outro, mas nem sempre é assim. A comunicação não violenta existe justamente para nos auxiliar nesse processo.

Fácil é ver a violência em alguém e fechar os olhos para a nossa. Assim, a auto-observação é indispensável! Na vida profissional, isso não muda. Para lidar com clientes e colegas violentos e grosseiros, devemos, antes de tudo, garantir que não sejamos violentos. E devemos, então, sempre, ter clareza do que aconteceu.

Para tanto, faça perguntas objetivas. Além disso, mantenha sua postura e não se identifique com a violência. Por fim, saiba quando for a hora de “deixar a situação ir”.

 

O QUE A COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA NOS ENSINA SOBRE LIDAR COM A AGRESSIVIDADE

Nosso primeiro impulso, numa situação de grosseria, é revidar, mas isso não é o aconselhado.

Quando a gente escuta para responder, e não para compreender, criamos um novo problema. Relações na vida profissional exigem cautela e autorresponsabilidade, assim como na vida pessoal. Então, mantenha seu equilíbrio e entenda o FATO: o que aconteceu exatamente? Foco nos pilares da comunicação não violenta!

 

1. Se não souber o que aconteceu, pergunte. Se for um cliente, um colega, um chefe, não importa. Faça uma pergunta clara e objetiva.

“Você poderia me explicar qual exatamente é o ponto em questão?”

 

2. Não, nem sempre o cliente tem razão. Mas nós sempre devemos manter nosso profissionalismo e nossa postura. 

 

3. Alguns clientes não valem a pena: consomem nosso tempo, nossa saúde mental e desgastam o trabalho desenvolvido. Analise se for o caso de demitir esse cliente. Analise com atenção, razão e mente tranquila.

 

4. Se for a hora de demitir o cliente, busque uma abordagem não agressiva, consciente, mas que não feche portas. 

“Entendo. Agradeço pela nossa conversa até o momento, mas acredito que nosso atendimento possa ser encerrado. Se, em outra ocasião, eu puder ser útil, estarei à disposição”.

 

ONDE LER MAIS SOBRE O ASSUNTO

Se comunicação não violenta te interessa, faço um convite: acompanhe também minhas publicações no Instagram. Lá estou sempre publicando postagens, stories e vídeos com essa temática, mas abarcando todos os âmbitos da vida.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *